O uso racional da chupeta

A chupeta deveria preferencialmente ser evitada, já que crianças que mamam ao peito normalmente não precisam de chupeta e, se precisarem, pesquisadores acreditam poder ser complementada com a própria amamentação. O uso de bicos artificiais, como chupeta, pode levar ao fenômeno da "confusão de bicos", uma forma errônea do bebê posicionar a língua e sugar o peito, levando-o ao desmame precoce. Tanto é, que hoje já é obrigatório os fabricantes alertarem nas embalagens: "A criança que mama ao peito não necessita de mamadeira, bico ou chupeta. O uso da mamadeira, bico ou chupeta prejudica a amamentação e seu uso prolongado prejudica a dentição e a fala da criança." Trabalhos científicos comprovam que quando uma criança usa chupeta vai menos ao peito.

Outra razão para o uso da chupeta seria evitar o hábito de sucção de dedo, por trazer danos mais severos ao desenvolvimento buco-facial e ser um hábito mais difícil de ser removido. Para os bebês que mamam ao peito acredita-se que o próprio aleitamento deverá evitar o hábito do dedo e não a chupeta. Assim, nem todo o bebê precisa usar a chupeta. A chupeta existe justamente para complementar esta necessidade de sucção, e se for usada, deverão ser respeitadas regras, para que não se instale um hábito.

O  uso deverá ser mínimo, sendo indicado só em momentos de stress ou para adormecer, tanto que seu nome em inglês é "Pacifier" (pacificador), mas não frente a qualquer choro. Sempre inspecione as causas do desconforto (fome, frio, fralda suja, dor, saudade de beijinho e colinho da mamãe) antes de partir para a chupeta. Muitos adultos a usam por não tolerarem o choro do bebê.

 

  • Duração - deverá ser usada apenas até o bebê se acalmar ou adormecer. Quando normalmente ele a larga não deve ser recolocada. Se a chupeta permanecer interposta entre os lábios, a criança pode perder a "memória" muscular de permanecer com a boca fechada, o que é fundamental para que respire corretamente pelo nariz. 

  • Idade - com o amadurecimento da criança, a sucção passa a ser substituída pela mastigação e sorção (tomar líquidos no copo), o que envolve outros músculos, e deverão ser estimuladas pelos pais. Assim, o uso da chupeta deverá ser interrompido assim que a criança se mostrar desinteressada, o mais cedo possível. O "prazo" para organizar a vida da criança sem a chupeta é até os dois anos, quando a fala fica mais desenvolvida.

  • Tipo - as chupetas podem variar em forma, tamanho e material. A forma ideal é anatômica (aquela "achatada", antes chamada "ortodôntica"), pois se adapta perfeitamente à cavidade bucal da criança e permite um maior contato da língua com o palato durante a deglutição. O disco plástico deverá ser côncavo (voltado para a cavidade bucal) e com perfurações que evitem o acúmulo de saliva e a consequente irritação da pele. De preferência sem argolas, para que não se pendure correntes (evitando o risco de estrangulamento), nem fraldas, e nem que a criança fique apoiando a mãozinha (prejuízo ao lábio inferior). Observar para que a chupeta não seja colocada invertida. O tamanho deve acompanhar a idade. O material de preferência é o silicone, que deforma menos e é mais higiênico.       

 

Quais as consequências do uso inadequado da chupeta?   

 

O uso incorreto da chupeta, associado ao padrão genético da criança, poderá produzir problemas bucais e de oclusão (mordida), que podem ser: mordida aberta anterior (dentes de cima não encostam nos de baixo); mordida cruzada posterior (a parte de cima fica "apertada", mal desenvolvida, e não encaixa com a de baixo), dentes de cima projetados para frente (e os de baixo para trás), alteração na fala e no padrão de deglutição (por interposição lingual), alteração dos padrões respiratórios, etc.

 

Dra.Cintia P. U. Schames
Odontopediatra